A Arqueologia na sala de aula: uma experiência pedagógica

No âmbito de um dos projetos de intervenção pedagógica supervisionada, os professores estagiários da disciplina de História, Emanuel Barros, Francisco Pereira e Sérgio Olival, em conjunto com a professora orientadora da Universidade do Minho, Marília Gago, e a professora cooperante, Maria da Luz Sampaio, desenvolveram uma atividade arqueológica com os estudantes de sétimo ano, da turma D.
Esta atividade consistiu na análise de diversas fontes arqueológicas. Anteriormente, foram recolhidas as ideias prévias dos estudantes sobre o Império Romano através da moldagem de gesso, onde os mesmos foram desafiados a moldar o objeto que melhor identificasse os romanos e, na parte final desta tarefa, teriam de o pintar da cor que associavam à temática. Os objetos mais comuns foram armaduras, capacetes e espadas, pintados de vermelhos, castanho e cinzento.
Cada grupo trabalhou um artefacto associado a um dos monumentos de Bracara Augusta, havendo seis disponíveis, entre eles uma urna com moedas do barqueiro, uma ponta de espada, uma fíbula e um prego associado à necrópole da Via XVII; uma máscara do teatro romano associado ao teatro do Alto da Cividade; uma ânfora com um roteiro das principais cidades do Império Romano associada à fonte do Ídolo; um aribalo romano associado às termas com óleos essenciais; umas moedas do Imperador Constantino II associadas ao fórum romano; e, por fim, duas lucernas, associadas à Domus das Carvalheiras.
As tarefas e os desafios propostos a todos os estudantes tiveram o intuito de os colocar no papel de um verdadeiro arqueólogo, resultando numa experiência com um feedback bastante positivo por parte de toda a turma.